×
22/07/2022 19h01 Há 636 dias
Alunos da Pós-EEP lançam “Carta Pelo Reuso da Água”

    Alunos do curso de pós-graduação em Gerenciamento de Recursos Hídricos da EEP- Escola de Engenharia de Piracicaba produziram e lançaram na noite da última sexta-feira, 15, minuta da “Carta de Alerta Sobre as Vantagens do Reuso da Água”. 

    O documento ressalta a importância da água de reuso, apresenta a técnica como alternativa ao aumento da disponibilidade hídrica e fala sobre a necessidade do apoio e empenho de técnicos, acadêmicos, empresários, gestores públicos e da população em geral com vistas à evolução tecnológica dos processos para utilização da água de reuso.  

    Segundo o Profº Francisco Lahóz, coordenador do curso e da disciplina de Educação Ambiental na EEP, a Carta será disponibilizada para a sociedade do Brasil e da América Latina por meio da Rede Latino Americana de Organismos de Bacias (RELOB), na qual ele ocupa a função de representante (‘vogal’) do Brasil, através do Consórcio PCJ. “Vamos encaminhar a Carta para o presidente da RELOB, Roberto Olivares, do México, permitindo que o documento seja veiculado em todos os países latinos associados à Entidade, em que são recomendados procedimentos na ótica da educação ambiental voltada à sustentabilidade dos recursos hídricos”, disse. 

    Ele revela que a Carta ressalta os instrumentos contidos na Política Nacional de Recurso Hídricos, como o Plano de Recursos Hídricos, o enquadramento dos corpos d’água, a outorga do direito de uso da água, a cobrança pelo uso dos recursos hídricos e o Sistema de Informações sobre Recursos Hídricos (SIRGH), organismos que visam à garantia da água em quantidade e qualidade, de forma a atender os setores agrícola industrial e urbano para as atuais e futuras gerações.  

    Ele lembra também que as Bacias dos Rios PCJ (Piracicaba, Capivari e Jundiaí), onde insere-se o município de Piracicaba, é uma área de estresse hídrico crônico porque, na estiagem, as águas oferecidas naturalmente pelos cursos d’água não são suficientes para o pleno atendimento das demandas existentes. “Além disso, seu aquífero subterrâneo é pobre, em termos de disponibilidade hídrica”, complementou Lahóz ao justificar a iniciativa. 

    Segundo ele, o reuso da água já ocorre com sucesso há dezenas de anos nessas Bacias, uma vez que, no período de estiagem, os municípios localizados rio abaixo dependem do lançamento dos efluentes gerados pelos municípios localizados rio acima, ampliando a vazão nas calhas dos corpos d’água, o que consequentemente facilita suas captações.  

    “Nos últimos 30 anos, o tratamento de efluentes nas Bacias PCJ passou de 3% na década de 1990 para 78% atualmente, o que possibilitou a melhoria na qualidade da água captada diretamente na calha dos cursos d’água”, disse Lahóz, ressaltando que o país precisa ampliar e aprimorar essa experiência.  

    Ele conta que as Bacias PCJ possuem várias Estações de Tratamento de Esgoto – ETE que comprovam na prática a viabilidade técnica e econômica dos processos envolvidos na água de reuso, de forma a estimular novos avanços na área de comando e controle ambiental permitindo um aumento significativo da disponibilidade hídrica.  

“Neste processo, esgoto doméstico e efluentes industriais passam por tratamentos, simples ou avançados, fazendo com que o esgoto se transforme em matéria-prima”, considerou. 

Autoria: Nilma Moratori Fonte: Fundação Municipal de Ensino