×
24/06/2022 20h08 Há 664 dias
Dança de Carolina Moya aborda a identidade e a travessia entre culturas e lugares
    A artista e pesquisadora Carolina Moya estreia hoje (25/6), às 17h15, no Sesc Piracicaba, a criação em dança “Eu Não Sou Daqui – Estudo de Poética das Travessias”, uma criação que traz a temática da identidade a partir da incorporação da alteridade. A entrada é gratuita.
    A performance transita ainda por temas como a travessia entre lugares, culturas, linguagens artísticas e a “condição de estrangeira” da artista (que é de São Paulo mas vive em Piracicaba), às tradições que pesquisa. O trabalho conta com a provocação corporal de Juliana Pardo e a metodologia da Cia Mundu Rodá. A trilha sonora autoral é do artista multi-linguagens Ivan Silva e o figurino é da figurinista e cenógrafa Ivy Calejon.
    “Essa é uma criação de dança com bastante influência da linguagem da performance, que é fruto da pesquisa que eu venho desenvolvendo há anos a partir das técnicas do flamenco e das danças populares tradicionais brasileiras, nas duas linguagens artísticas”, explica Carolina Moya.
    As perspectivas de identidade e alteridade presentes no trabalho é inspirada na concepção dos Huni Kuin (Kaxinawá), etnia indígena brasileira que vive no estado do Acre e no sul do Amazonas, regiões que abarcam, respectivamente, a área do Alto Juruá e Purus e o Vale do Javari, abordados no texto "No Caminho da Miçanga - Um Mundo que se faz de Contas", da antropóloga da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), Els Lagrou.
    DANÇA E PERFORMANCE - Carolina iniciou suas pesquisas no flamenco em 1998 e em 2005 passou a se debruçar também nas culturas populares brasileiras. Essa atuação, que inicialmente se concentrava na dança, passou a comtemplar, em 2011, a performance. Essas são as duas linguagens de atuação da artista, formada no Curso de Comunicação de Artes do Corpo, da PUC-SP.
    A relação de Carolina com a pesquisa de Els Lagrou começou em 2021, a partir da leitura na íntegra da tese de doutoramento da antropóloga, intitulada “A Fluidez da Forma: arte, alteridade e agência em uma sociedade amazônica”, conduzida por Marion Hesser. Além disso, Carolina participou de encontros do grupo de estudos Oeste, da plataforma de dança Cerco Coreográfico, em que Marion sugeriu a ela a leitura de outro texto de Els, esse, intitulado “No Caminho da Miçanga - Um Mundo que Se Faz de Contas”.
    PRÓXIMAS DATAS - Após a estreia no dia 25 de junho, “Eu Não Sou Daqui – Estudo de Poética das Travessias” terá outras duas apresentações, já agendadas. No dia 16/7, às 19h, a criação em dança chega à Casa do Hip Hop, também em Piracicaba, durante o “Sarau da Minas”. Já no dia 31/7, às 18h, o palco será a Zona Franca, em São Paulo.
    LEITURAS EM VOZ ALTA - Iniciadas no início do ano, as leituras em voz alta do texto "No Caminho da Miçanga - Um Mundo que se Faz de Contas", conduzidas por Carolina Moya em seu perfil no Instagram (@carolinamoya) e também no seu canal do Youtube (Carolina Moya) seguem acontecendo. As leituras acontecem ao vivo, com duração entre 20 e 40 minutos e as gravações ficam disponíveis. As datas são divulgadas nas redes sociais da artista.
“A ideia é que as pessoas acompanhem em um momento do dia em que isso é possível no seu cotidiano e ao mesmo tempo em que desenvolvem outras atividades corriqueiras. Assim como um podcast, linguagem contemporânea que serviu como inspiração”, completa Carolina.
    FICHA TÉCNICA:
    Criação, Interpretação e Dramaturgia - Carolina Moya
    Provocação Corporal - Juliana Pardo
    Trilha Sonora - Ivan Silva
    Figurino - Ivy Calejon
    Fotografia - Daniel Cunha
    Música "Eu Não Sou Daqui" - Alício Amaral e Zuza Gonçalvez

Autoria: Assessoria de Imprensa Fonte: Tempo D Comunicação e Cultura