×
08/04/2022 09h00 Há 777 dias
Um ano sem Madalena

   Há um ano era brutalmente assassinada a ex-vereadora Madalena, encontrada morta em sua casa na madrugada do dia 7 de abril. Na época, ela tinha 64 anos. O crime abalou a cidade, porque Madalena era bastante conhecida por sua liderança e ações sociais, principalmente no seu bairro o Jardim Boa Esperança.

    O seu corpo foi localizado por um vizinho, que percebeu que o portão estava somente encostado e decidiu entrar na casa, quando viu a ex-vereadora caída. Daí resolveu chamar a polícia. O caso foi registrado como homicídio e ficou sob a responsabilidade do DEIC (Departamento Estadual de Investigações Criminais).

    Pouco dias depois, a polícia prendeu os responsáveis pelo crime, que justificaram uma desavença pela liderança da Vila Sônia. A investigação começou como uma suspeita de tráfico de drogas, mas os policiais desconfiaram de roupas e algumas joias apreendidas na casa do suspeito.

    Em contato com a família de Madalena, o material foi apreendido e reconhecido como se pertencesse à ex-vereadora. Os três confessaram o brutal crime e estão presos à disposição da Justiça

   VEREADORA - Madalena elegeu-se vereadora pelo PSDB com 3.035 votos. Ela foi a primeira travesti eleita vereadora na história de Piracicaba. Durante mais de 20 anos exerceu um forte papel comunitário. Era conhecida por usar acessórios extravagantes femininos. Há um processo de produção de um documentário a respeito da vida: “Meu nome é Madalena”, dirigido e roteirizado por Thiago Barros

 

Equipe responsável pelo mural em homenagem a ex-vereadora de Piracicaba, Madalena Leite — Foto: Reprodução/Instagram


Foto (capa): Jéssica Gaise/www.camarapiracicaba.sp.gov.brSalvar imagem em alta resolução

Autoria: Miromar A Rosa Fonte: Conexão Piracicaba